quarta-feira, 24 de setembro de 2008

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Brasil é o 3º país mais religioso entre os jovens, diz pesquisa

Um levantamento realizado em 21 países constatou que o Brasil possui a terceira população jovem mais religiosa do mundo. Segundo pesquisa do instituto alemão Bertelsmann Stiftung, 65% dos jovens brasileiros são considerados "profundamente religiosos".
Empatado com a Indonésia e o Marrocos --países de maioria muçulmana--, o Brasil fica atrás apenas da Nigéria e da Guatemala, primeiro e segundo lugar, respectivamente. Um total de 21 mil jovens entre 18 a 29 anos participaram da pesquisa alemã.

Veja ranking dos jovens mais religiosos do mundo.

Em âmbito global, mais de quatro entre cada cinco jovens (85%) são religiosos, e quase metade (44%) são profundamente religiosos.

Apenas 13% não acreditam em Deus ou não têm religião, de acordo com a sondagem.

No Brasil, 65% dos jovens se declaram profundamente religiosos, 30% se dizem religiosos e 4% afirmam não ter religião. Apesar de 74% dos brasileiros declararem que rezam diariamente, somente 35% disseram viver de acordo com os preceitos religiosos.

Veja gráfico sobre hábito de rezar entre jovens e gráfico sobre conduta religiosa.

Plano intelectual

"A pesquisa mostra que só um terço dos jovens (brasileiros) se dizem convencidos de que devem seguir os mandamentos de sua religião, ou que estão dispostos a obedecer os mandamentos religiosos", afirmou o sociólogo Flávio Pierucci à Folha Online.

"Primeiramente, é um traço muito moderno da juventude brasileira, que mostra ser mais moderna do que parece", disse ele, professor titular de sociologia da FFLCH (Ciências Sociais) da USP.

"A tendência é reduzir a religião a uma coleção de crenças", afirma Pierucci. Para o professor, quando se reduz a religião "a uma simples adesão intelectual, começa-se a fazer misturas (de religiões)".

"Não significa, necessariamente, que se está sendo orientado por aquelas idéias religiosas", explica Pierucci. "A vida pode ser orientada por outras coisas, por uma relação mais pragmática com a realidade --mesmo na vida em família, há muito mais um processo de negociação do que se deve fazer do que uma postura de abaixar a cabeça e dizer, 'Deus mandou eu fazer assim, vou fazer assim'."

Sobre o número de não-religiosos, o sociólogo afirma que o grupo é uma parcela crescente da população. "O censo de 2000 apontava que 7,3% da população brasileira se declaravam sem religião, o que já representou um crescimento bastante grande em relação ao censo de 1991, que apontava pouco mais de 2%."

"Mercado religioso"

No entanto, ele afirma que se declarar sem religião não significa necessariamente que a pessoa não tem fé. "Pode ser que, em outro momento do questionário, ao ser questionada se acredita em Deus, ela irá dizer que acredita", explica ele. "A tendência é as pessoas não terem mais problema em dizer que não têm religião, embora acreditem em Deus e cheguem a rezar nos momentos de fraqueza, perigo ou desamparo."

Mais de 90% dos brasileiros dizem acreditar em Deus e em vida após a morte, de acordo com o estudo alemão.

Quanto ao esforço da Igreja Católica para arregimentar novos seminaristas, apesar da alta religiosidade no mundo, Pierucci afirma que o fato se deve à "diversidade religiosa atual". Segundo o sociólogo, com a liberdade religiosa, incrementa-se o que a sociologia chama de "mercado concorrencial religioso".

"Cada vez aparecem novas religiões ou modificações das já existentes, que vão proliferando. Cria-se, então, um ambiente muito cheio de oferta religiosa", diz ele. "Um jovem acha na internet qualquer coisa --ele pode entrar em um site islâmico, pode ter curiosidade sobre a cientologia, a religião do ator Tom Cruise, ele pode se informar sobre uma seita como o Santo Daime. A religião fica mais viva", afirma. "Em vez de a crença morrer, ela se multiplica de diferentes formas. As maiorias religiosas vão sendo predadas", analisa.

Contradições

Para Pierucci, a religião representa, nas vidas das pessoas, uma "pequena oração diária, no máximo, um ou dois minutos".

"Então você tem uma situação aparentemente contraditória --uma população muito religiosa, como a brasileira, que gosta de religião e a respeita, a pesquisa mostra bem isso", afirma o sociólogo. "A sociedade brasileira valoriza a religião, mas não segue nenhuma, porque elas costumam ser muito exigentes. Há apenas uma minoria que segue, o resto não tem nem tempo para isso."

No ranking criado pelo instituto alemão, a Rússia aparece como o país onde os jovens são os menos religiosos. Segundo o levantamento, apenas em Israel a juventude é mais religiosa que a população adulta.

De acordo com Matthias Jäger, responsável pelo projeto "O Papel da Religião na Sociedade Moderna", do instituto alemão, a pesquisa "desfaz a noção de que decrescentes níveis de religiosidade são inversamente proporcionais ao progresso econômico, social e cultural".

Para o pesquisador, a principal conclusão da pesquisa é a de que "a religião desempenha um papel muito mais importante internacionalmente do que geralmente se assume de uma perspectiva ocidental e européia".

"A Europa é a exceção à regra", afirmou o pesquisador, por e-mail.


Oficina21
Página publicada em: 3/9/2008
Folha Online (Fernando Serpone)

Sexualidade na juventude

Entrevista de Gina Strozzi concedida para a Revista Juventud Esperta, da Comunidade de Jesus em Boston (EUA).

JE - O sexo na sociedade para ser debatido precisa ser corrompido. Só é possível falar de sexo sem constrangimento se o seu sentido for adulterado? Gina Strozzi - Talvez sua pergunta sintetize os resultados desta liberdade intoxicante que todos nos somos vítimas. Quando você fala de sexo corrompido, isso me parece um sexo afastado da condição humana. Constrangimento frente a algo natural não existe, há constrangimento frente ao sexo porque ele foi desnaturalizado, e pior, foi desumanizado. Corrompemos o sexo quando não respeitamos a inocência da infância e aceitamos a perversidade da mídia; quando acreditamos nas performances de atletas sexuais nos filmes de Hollywood, e adoecemos por isso, por não conseguirmos ser como eles; ou até por confiarmos que ninguém em nenhuma relação sem preservativo pegou AIDS ou engravidou; ou mesmo, quando agimos com naturalidade diante de editoriais da Marie Clair ao nos perguntar se já fizemos sexo a 3, ou se já gravamos um filme pornô. É preocupante a nossa falta de constrangimento, pois isso aponta para um homem nu e carente, ameaçado sem perceber pela corrupção e fragilidade ética. Em tempos onde o sexo fez seu total “strip-tease”, a sexualidade se dá como saturada fazendo nossas consciências se acomodarem frente ao abismo da imoralidade. JE - Qual o limite da discussão sobre sexo no eixo eclesiástico? Até que ponto a igreja deve influenciar no conceito propriamente dito? Gina Strozzi - Cada instituição tem sua função, têm seus papéis e responsabilidades. A função da igreja não é ensinar sobre sexo, a priori, sua missão na Terra é levar pessoas a serem salvas pela ação redentora de Jesus Cristo. Quero dizer que tratar de sexo não é dever primeiro da igreja, mas isso não absolve a igreja de se posicionar e manifestar-se diante às inquietações dos seus membros. Sabemos que a igreja está evoluindo no trato das questões pessoais e íntimas.Nitidamente percebemos a preocupação de líderes para com a problemática da gravidez na adolescência, da pornografia, do erotismo infantil, das novas formas de relacionamento ‘relâmpago’ entre os jovens, das discussões sobre a homossexualidade e outras modalidades de relacionamento. Isso aponta para púlpitos que dialogam e tentam encontrar respostas para estas questões. Na verdade os teólogos e pastores são os responsáveis por tratar destas situações à luz da Palavra de Deus, as igrejas necessitam de uma hermeneutização consciente e que dê conta de acolher, tratar e proporcionar vida ao rebanho. JE - Com quantos anos uma pessoa passa a pensar em sexo? A partir de que idade os pais devem sentar com seus filhos e falar sobre o assunto? Gina Strozzi - Bem cedo, em torno de 2 a 3 anos, as crianças percebem as diferenças sexuais através das roupas e dos brinquedos. Com 4 anos se estabelecem os papéis de gênero (os comportamentos de menino e de menina), processa-se a identificação sexual. A criança brinca de família e de casamento. Neste caminhar, muito importante na educação sexual é respeitar a curiosidade da criança, a criança não deve ser punida ou ter respostas evasivas diante de uma dúvida ou inquietação. Fazer ‘segredos’ sobre sexo gera na criança desconfiança e suspeitas. Os pais devem ter uma postura onde as queixas, as dúvidas e as curiosidades sejam autorizadas. Crianças seguras falam de forma transparente com os pais, se mostram e repartem as angústias normais do desenvolvimento psico-sexual. Não há uma idade pré-estabelecida pra se conversar sobre sexo, se entendemos que desde que nascemos somos seres sexuais, compreenderemos que a sexualidade é algo amplo em nós, ela não se restringe ao ato sexual, portanto, mais importante do que se falar sobre sexo é ensinar e permitir a percepção da sexualidade como normal e natural nas nossas vidas. Muitos pais se sentem tímidos e sem recursos para falar com seus filhos sobre a sexualidade, até porque muitos não conseguem lidar com a sua própria vida sexual, então eu sugiro que dêem o ‘colo’, dêem afeto, aproximem seus filhos de modo que se crie sensibilidade e intimidade o suficiente para que eles possam vivenciar com tranqüilidade o cotidiano das tensões, das descobertas e conquistas de uma sexualidade sadia. JE - Crê que a AIDS impediu maior libertinagem sexual? Gina Strozzi - Creio que a AIDS sacudiu implacavelmente os lugares de maior privacidade, colocando cada pessoa diante da sua sexualidade, do relacionamento com o outro, da intimidade e da sua individualidade. A AIDS colocou em jogo o grande paradoxo do sexo na modernidade: vivemos em total permissividade, porém ameaçados pela infelicidade, doença e morte! Estamos libertos, porém sós!!! Aliada a esta questão da solidão e medo de contágio, onde a hipótese mais segura é a da auto-satisfação pelo sexo virtual, surge também o apelo ao que chamamos de ‘sexo-de-auto-risco’. Nesta modalidade se torna altamente libidinoso um sexo mais ousado onde o perigo de contaminação torna o sujeito mais excitado. Este é o inferno moderno que a AIDS nos legou. JE - Que efeitos negativos a mídia trouxe para o assunto? Gina Strozzi - Mídia é um caso sério. Geralmente os meios midiáticos propõem um modelo de comportamento sexual que causam sofrimento e inferioridade. A mídia massifica, uniformiza e desconsidera as subjetividades e particularidades da sexualidade humana. As revistas masculinas e femininas ditaram a mentira de que “pênis grande é o que conta” e traumatizaram muitos homens.A Tv ultrapassou todos os limites quanto à violência e vulgaridade, vemos ‘mascaradas’ de todo o tipo, seminuas e insinuantes testando o nosso limiar de tolerância moral, principalmente frente às crianças, que se tornam alvos de hostis e brutais exposições. JE - Nos EUA são proibidas cenas de nudismo, revistas com exposições explícitas nas bancas e palavrões na tv aberta. Mas existe uma malicia dissimulada em quase todos os programas. Crê que há beneficio nessa abordagem? Gina Strozzi - A sexualidade é formatada em nós por gestos, cheiros, fantasias, símbolos, códigos invisíveis que encontram sentido no imaginário de qualquer pessoa, seja criança, jovem, adulto ou idoso. Assim, ver a foto explicita ou ser seduzido e induzido a desejar algo erótico sem uma imagem, influencia de igual forma o comportamento humano. Mas, diante disso, podemos ainda considerar o que a psicanálise nos ajudou a compreender: que o desejo se dá e se sustenta principalmente na falta do objeto, o que significa dizer que esta forma mais velada de erotismo talvez excite mais as mentes e corpos do que a exposição freqüente do nu nas bancas de revistas.JE - Que tipo de ajuda pode conseguir a pessoa que usa o sexo de maneira compulsiva? Gina Strozzi - O compulsivo não sente prazer, segue sempre um ritual, vê o sexo como uma obrigação que impõem a si próprio. O compulsivo tem o sexo como uma válvula de escape da ansiedade, faz sexo pra sentir alívio e não pra se satisfazer. Não devemos confundir a compulsão por sexo com o impulso pelo sexo. A pessoa com forte impulso por sexo, geralmente necessita de excessiva atividade sexual e obtém prazer nos atos. A ajuda para o compulsivo pode ser encontrada na terapia aliada a um tratamento medicamentoso, por exemplo.JE – Como lida com o fato de ser Sexóloga e Cristã ao mesmo tempo? Gina Strozzi - Primeiro, quero dizer que não há contradições. Qualquer cristão tem sexualidade e faz sexo. Eu sou uma especialista deste tipo de comportamento. Tento ajudar as pessoas nesta área. A tua pergunta de certa forma carrega um pouco do preconceito contido no imaginário das pessoas, de que sexo e cristianismo são incompatíveis, e todo o meu trabalho é tentar agregar à pessoa humana sua integralidade, considerando a cultura, a religião, a educação e os preceitos familiares, entre outras coisas como instituidores da sexualidade JE - Mas nunca sofreu algum tipo de preconceito? Gina Strozzi - Geralmente falar sobre sexo suscita no imaginário das pessoas algumas fantasias do que é uma Sexóloga, ou de que como é alguém que vai tratar este assunto. Pessoalmente, causo alguma estranheza nas pessoas sim, mas não que sofra preconceito porque acredito que o preconceito envolve ações práticas ou simbólicas contra um sujeito, e no meu caso isso nunca ocorreu. O que acontece é um 'susto', porque ou sou nova demais, ou porque as pessoas acham que eu deveria ter muita prática no assunto pra poder ensinar sobre isso, e, no que toca a questão da experiência isso é bem complicado. Até porque, essa especialização como área médica é nova no Brasil, o tratamento profissional para com a sexualidade é recente, e tanto a Medicina, como a Sociologia, a Psicologia e a Antropologia se concentram sobre questões sexuais, principalmente após a epidemia da AIDS. JE - Sem jargões evangélicos, quais as vantagens do sexo dentro do casamento? Gina Strozzi - É a vantagem de ter o sexo como algo que faz parte de um relacionamento, de um vinculo, de um concerto que envolve direitos, deveres e responsabilidades. Sexo num relacionamento denota a noção e o sentimento de segurança e de pertença. Em tempos de convívio destruído, onde as pessoas estão fadigadas pelos descartes e troca-troca de casais, e onde o 'amo você' significa 'te amo até aparecer um melhor'... sexo no casamento inspira permanência, memória, lembranças e por isso insisto no sentimento de pertença e segurança que ele ainda pode nos oferecer. As pessoas são seres que almejam os laços, os vínculos, as fotos no álbum pra mostrar pros netos. Relação sexual no casamento tem proximidade com esta figura, com a reprodução das nossas histórias. JE - Existe alguma relação entre a maneira que uma pessoa pensa em sexo e seu caráter? Gina Strozzi - Somos seres complexos, nosso caráter pode ser instituído pela família, pelas leis que aprendemos e escolhemos para respeitar, pela religião que seguimos e cremos, pela educação que tivemos no colégio, pelos valores que emprestamos dos nossos amigos e grupos, enfim assim como somos seres que ‘somam’, também somos seres que ‘abstraem’, somos pessoas que rejeitamos, abrimos mão, e não nos apropriamos do que não julgamos necessários a nós. De igual forma ocorre com a sexualidade, incluímos a ela o que julgamos bem ou preterimos o que é mal. Obviamente que não me refiro aos transtornos sexuais (como a pedofilia, o sado-masoquismo, etc), pois nestes, há um rompimento não de caráter, mas de aparelho psíquico, há uma defasagem na vida afetivo-emocional do individuo. JE - Você acredita que a igreja católica tenha influenciado de maneira negativa os valores do sexo proibindo o casamento de padres e freiras? Gina Strozzi - Vejo que a repressão é sempre um mau caminho. Quando reprimimos algo tão forte quanto é a sexualidade, geralmente acabamos em dois lugares: na doença ou na clandestinidade, ou seja, “vou procurar um lugar onde ninguém me vê pra poder fazer o que não me permitem”. Agora, falando especificamente do sacerdócio, acredito sim que existem pessoas separadas pra esta função e portadoras desta vocação. Porém, talvez o maior mal que um sistema possa fazer às pessoas é privá-las da satisfação de uma necessidade, e não estou falando de sexo por sexo e sim de sexo por amor, de sexo como forma de carinho, como forma de relacionamento. É importante entendermos que as religiões, principalmente as ocidentais, são um tanto quanto restritivas em matéria de sexo (dentre outras coisas), porque as interdições fazem parte da natureza das religiões para resguardar a atenção dos indivíduos em direção ao sagrado e isto em si não é mal, e ainda mais do que isso, os interditos são impostos a fim de se garantir não só a atenção, mas a qualidade da atenção (santidade e pureza de vida no culto) que será dedicada a Deus. Portanto, o mal não está nas restrições à sexualidade, mas à proibição arbitrária, refletida na negação e repressão total sobre um alvo tão misterioso e imponderável como é a sexualidade humana. JE - Sempre se fala de sexo na igreja de maneira superficial e em algumas o assunto sexo é quase proibido. Por que é tão difícil se falar de sexo? Gina Strozzi - Falar sobre sexo é difícil porque se encosta à noção de pecado. Sabemos que muitas vezes os “piores” pecados na igreja estavam agregados às idéias de adultério, gravidez indesejada, promiscuidade no namoro, homossexualidade e etc. Assim, todo o esforço hoje em se perceber a importância de se tratar este assunto fica meio que contaminado por esta idéia do pecado. JE - Quando o sexo passa a ser pecado?Gina Strozzi - Quando o sexo lhe afastar de Deus.

Oficina 21
Página publicada em: 3/9/2008
Clécio Almeida

Pescando estudantes para Deus

Decidi que iria trabalhar especificamente somente com não-cristãos, uma vez que observei, de pronto, que a maioria dos estudantes cristãos que encontrava, estavam preocupados em “tomar posse daquela benção que Deus já tinha preparado para eles desde a fundação dos séculos”.
Em 2000, cheguei na universidade e comecei a descobrir um mundo novo. Depois de quase 10 anos de envolvimento com a igreja local e seus afazeres internos, lidando com todas as classes de pessoas, desde pessoas simples sem instrução formal até universitários, mas sem focalizar um grupo especificamente, caí no campus.
Decidi que iria trabalhar especificamente somente com não-cristãos, uma vez que observei, de pronto, que a maioria dos estudantes cristãos que encontrava, estavam preocupados em “tomar posse daquela benção que Deus já tinha preparado para eles desde a fundação dos séculos”.
Foi assim que iniciei o trabalho de fazer amizades com os estudantes e me transformei em um deles, foi um aprendizado difícil mas muito interessante.Contudo comecei a sofrer da síndrome de Elias, e pensar que só eu ali “não havia dobrado os meus joelhos a baal” e que era o portador único da verdade de Deus naquele lugar. Foi aí que o processo começou a tomar outro rumo do que eu havia anteriormente planejado. Comecei a conhecer alguns cristãos mais comprometidos e posteriormente conheci o grupo em que se reuniam. Daquele contato surgiu a notícia de que havia outros grupos como aquele, e isso me interessou, acabei por conhecê-los de uma maneira muito singular e descobri algo interessante; todos sofriam da mesma síndrome de Elias. Disse ao Senhor: “ se o Senhor está querendo que me envolva também com esses crentes, tudo bem, vou ver no que dá!”A essa altura dos acontecimentos, fiz uma parceria com a Convenção Batista do Estado de São Paulo e, em julho de 2003, ela passou a contribuir com parte de meu sustento, dando-me liberdade para levantar o restante junto a outras igrejas via PAM (Plano de Adoção Missionária).
A primeira igreja a se interessar pela parceria foi a PIB de Campo Limpo Paulista, pr Celso Fernandes, depois a Igreja Batista Memorial de São Paulo, pr Eduardo Godoy, Igreja Batista do Parque, pr Roberto Tadeu Pimentel, First Baptist Church of Fayetteville, pr Stephen A. Moore e recentemente, a PIB de São José dos Campos, pr Carlito e a Igreja Batista de Campos Elíseos, pr Lamarque.
Ao final do ano de 2003 e início de 2004 fizemos uma parceria direta por um ano com o TRUSTEAM, ministério da Southern Baptist Convention para estudantes universitários, pr John Marshall, criando no final de 2004 a Organização Toca do Estudante e estabelecendo uma parceria Toca-TRUSTEAM, A partir de então, colocamos no ar o site da organização: www.tocadoestudante.org.
Nossa visão é simples: Estabelecer uma Comunidade de Fé entre universitários, onde o necessitado encontre ajuda e o aflito encontre conforto, que sirva de “cidade de refúgio” onde a mensagem anunciada seja a mesma que Cristo anunciou, mas dita de maneira relevante ao estudante para que ele possa entender e responder adequadamente, ou seja, estabelecendo um relacionamento de amizade com Deus. Um lugar onde haja celebrações comunitárias e também seja um Centro de Treinamento para o avanço da mensagem de Cristo a todos os cantos do mundo.

Oficina 21
Página publicada em: 3/9/2008
Libério (Toca do Estudante)

Temor de Deus e medo da sexualidade

Procriar e perpetuar é uma questão mais sutil do que a puramente biológica e social

A sexualidade e a religião são duas das principais preocupações da humanidade. Freqüentemente inscritas em colunas opostas em que se arrolam respectivamente também o físico e o espiritual, o temporário e o eterno, parecem fixar territórios diferentes e bem determinados quando, no entanto, estão constantemente a interseccionar as respectivas fronteiras. A contraposição entre corpo e alma é bem antiga; aqui, contudo, neste ensaio, minha intenção é de aproximar os dois conceitos, pois acredito que ambos sejam locus tanto da religião quanto da sexualidade – como também da gênese dos medos que as circundam.
O percurso de um discurso inteligível para enfrentar a longa via de compreensão dessa dupla temática na cultura ocidental poderia iniciar-se em Sócrates, que caracteriza a alma como psique: a capacidade de entender e de querer do homem. Em seguida, Platão altera esse conceito e o repensa de modo profundo em termos ontológicos. Platão representa e apresenta o corpo como “túmulo” e “prisão” da alma; todavia, permanece convencido de que subsiste diferença insuperável entre corpo e alma, pois alma torna-se privada de sentido no momento em que é ligada a ele. Afirma que “o corpo enche-nos de amores, desejos, receios e toda a espécie de fantasias e grandes disparates; sua presença impede a alma de atingir a verdade”.
A doutrina cristã re-significou a questão dessa dicotomia de maneira ontológica, metafísica e teológica, pois apresentou o corpo não mais como um “peso” ou “tronco” para a alma, mas por ela sendo consagrado e até santificado. Mas, antes ainda, as antigas atitudes hebraicas em relação ao sexo eram naturalistas e religiosas no sentido de as aceitar como criações divinas. No Antigo Testamento, a vida sexual era celebrada, símbolo que sempre foi da atividade criadora divina em toda mística judaica, especialmente em páginas exclusivamente devotadas a esse tema na literatura sagrada, como o livro de Cantares.
Talvez as passagens mais afastadas desta sexualidade enquanto natureza criada do judaísmo e que mais desconfiguram o que naturalmente se conhecia da sexualidade – muito embora saibamos que os muitos interditos em Levítico (e outros) a rigor se impuseram na prática do cotidiano do judeu para a feitura de uma teologia mais orgânica no que se refere ao corpo – sejam as encontradas na concepção paulina (I Coríntios 7), segundo a qual estabelece-se a idéia de que a vida sexual é um empecilho, algo que atrapalha a vida devocional. Isso criou um ponto de vista absolutamente novo para a questão: abolindo-se a meta prioritária da vida sexual, a saber, a procriação, restava apenas que a vida sexual era uma espécie de mal necessário (porquanto distrativo da vida devocional) para evitar o pecado da fornicação. Colocando em termos simples: o melhor é servir a Deus exclusivamente; sexo é algo que ocupa as pessoas e as faz distrair-se da atividade santa; uma vida de privação sexual acaba sofrendo muita pressão que pode resultar em pecado.
Esse ponto de vista deu origem não apenas à lógica celibatária do movimento monástico, mas também ao ascetismo do desprezo ao corpo e sua subjugação não apenas através de rituais de mortificação como hábitos que durante muito tempo se conservaram de privar-se de banhos (“A pureza do corpo e das vestes significa a impureza da alma”, segundo santa Paula). Eram, pois, vistos como tão mais virtuosos aqueles que mais faziam seu corpo padecer de abandono e repressão.
A maneira como o puritanismo percorreu os séculos (do jansenismo ao vitorianismo, ao YMCA) alojado no seio das práticas das mais diversas orientações doutrinárias dá bem a noção do quanto essa idéia é forte, especialmente por ser tão física: a sujeição do corpo, afinal, parece a todos mais facilmente identificável do que o domínio sobre a mente, e, portanto, parece um caminho mais praticável. Vêem-se as marcas no corpo, sente-se a dor física: as provas da fidelidade, portanto, estão expostas aos olhos e perceptíveis pelos sentidos. Parece ao fiel uma maneira mais concreta de tentar convencer a si mesmo de que está fazendo a sua parte no combate ao pecado que o tenta.
Nesse quadro, o medo da sexualidade é, portanto, advindo do medo do pecado – inspirado pelo temor de Deus –, estando assim tão fortemente identificada a sexualidade com o pecado por conta de um preciso momento em que se dissociou da vida sexual a finalidade procriadora. O catolicismo sempre advogou que a finalidade do sexo é senão a procriadora, e nisso tudo não se pode dizer que não haja fundamentos. Mas a verdade é que esses fundamentos não esgotam a questão, pois o desejo de perpetuação, de procriação e, portanto, de imortalidade, são, sim, o fundamento do sexo. No entanto, o que se deseja procriar e perpetuar já é uma questão mais sutil do que a puramente biológica e social.
Pois a sexualidade não se deixa reduzir a um princípio. Seu reino é o da singularidade irrepetível; escapa continuamente à razão e constitui um domínio oscilante, regido pela exceção e pelo capricho. Essa dificuldade não a detém: se é incompreensível, não é imensurável; se não podemos defini-la, podemos descrevê-la. Procurávamos uma explicação, teremos uma geografia, onde se encontram corpo e alma, medos e temores. O corpo e a alma são ambos território do desejo (o desejo do corpo pelo além-de-si e a plenitude da vida física, o desejo da alma pelo além e a plenitude da vida espiritual) e também dos medos (o medo físico da dor e o temor espiritual da danação eterna).
Se é verdade que o equivocado temor de Deus num momento crucial do desenvolvimento do cristianismo reduziu o amor à descontinuidade dos seres que possuem uma alma, também é verdade que essa alma é a mesma sede do impulso da continuidade presente da mais alta expressão do amor: a sexualidade. Se estamos somente hoje a separar com nossos dedos tantas vezes ainda débeis quais foram os trigos e quais os joios que nesses férteis e quantas vezes indivisíveis territórios floresceram, podemos escolher se nos detemos a contabilizar essa seara ou se nos empenhamos em semear ainda mais do amor que venha a, indistintamente, frutificar para as gerações futuras.
Usina 21
Página publicada em: 3/9/2008
Gina Strozzi

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Erros

video

Warren Buffet - Um dos homens mais ricos do mundo

Houve uma entrevista de uma hora, na NBC, com Warren Buffet, um dos homens mais ricos do mundo, que recentemente fez uma doação de 31 bilhões de dólares para a caridade. A seguir, alguns aspectos interessantes de sua vida.

1. Comprou a sua primeira ação aos 11 anos, e hoje lamenta tê-lo feito tardiamente! As coisas eram baratas naquele tempo...
Incentive seus filhos a investirem.

2. Comprou uma pequena fazenda aos 14 anos, com as economias oriundas da entrega de jornais. Pode-se comprar muitas coisas com pequenas economias.
Incentive seus filhos a iniciarem algum tipo de negócio.

3. Ainda vive na mesma casa modesta, de 3 quartos , no distrito de Omaha, a qual comprou após se casar, 50 anos atrás. Diz ele que tem tudo o que precisa naquela casa. Sua casa não possui muros nem cercas.
Não compre mais do que você 'realmente precisa', e incentive seus filhos a fazerem e pensarem o mesmo.

4. Dirige seu próprio carro para todo lugar, e não tem motorista particular, nem equipe de segurança à sua volta.
Você é o que é...

5. Nunca viaja em jato particular, embora seja proprietário da maior companhia aérea privada do mundo.
Pense sempre num jeito de realizar as coisas de maneira econômica.

6. Sua empresa, Berkshire Hathaway, possui 63 companhias. Escreve apenas uma carta anual aos principais executivos destas companhias, dando-lhe as metas para o ano. Nunca promove encontros nem os convoca habitualmente.
Nomeie as pessoas certas para as missões certas.

7. Transmitiu aos seus executivos somente duas regras:
Regra nº 1: não perca nenhum centavo do dinheiro de seu acionista.
Regra nº 2: não se esqueça da regra nº 1.
Estabeleça metas e certifique-se de que as pessoas nelas se concentrem.

8. Não costuma freqüentar a alta-sociedade. Seu passatempo, após chegar em casa, é fazer ele mesmo um pouco de pipoca e assistir a televisão.
Não tente se mostrar, simplesmente seja você mesmo e faça aquilo que gosta de fazer.

9. Warren Buffet não usa telefone celular, nem tem computador sobre sua mesa.

10.. Bill Gates, o homem mais rico do mundo, encontrou-se com ele, da primeira vez, cinco anos atrás. Bill Gates achava que nada tinha em comum com Warren Buffet. Portanto, programara seu encontro apenas por meia hora.
No entanto, quando Gates o encontrou, este encontro perdurou por dez horas, e hoje em dia, Bill Gates o considera o seu guru.

Seus conselhos aos jovens:

'Fique longe de cartões de crédito e empréstimos bancários, invista o seu dinheiro em você mesmo, e lembre-se:

A. O dinheiro não cria o homem, mas é o homem quem criou o dinheiro.

B. Viva a sua vida da maneira mais simples possível.

C. Não faça o que os outros dizem - ouça-os, mas faça aquilo que você se sente bem ao fazer..

D. Não se apegue às grifes famosas; use apenas aquelas coisas em que você se sinta confortável.

E. Não desperdice o seu dinheiro em coisas desnecessárias; ao invés disto, gaste nas coisas que realmente precisa.

F. Afinal de contas, a vida é sua ! Então, por que permitir que os outros estabeleçam leis em sua vida?'

'As pessoas MAIS FELIZES NÃO TÊM, necessariamente, as 'MELHORES' COISAS’.
Elas simplesmente APRECIAM aquilo que tem'.

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Tempestades

Deus sempre está conosco....

video

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

A Persistência...

Um homem investe tudo o que tem numa pequena oficina. Trabalha dia e noite, inclusive dormindo na própria oficina.
Para poder continuar nos negócios, empenha as jóias da própria esposa.
Quando apresenta o resultado final de seu trabalho a uma grande empresa, dizem-lhe que seu produto não atende ao padrão de qualidade exigido.
O homem desiste? Não!
Volta à escola por mais dois anos, sendo vítima da maior gozação dos seus colegas e de alguns professores que o tachavam de "visionário".
O homem fica chateado? Não!
Após dois anos, a empresa que o recusou finalmente fecha contrato com ele.
Durante a guerra, sua fábrica é bombardeada duas vezes, sendo que grande parte dela é destruída.
O homem se desespera e desiste? Não!
Reconstrói sua fábrica, mas um terremoto novamente a arrasa.
Essa é a gota d'água e o homem desiste? Não!
Imediatamente após a guerra segue-se uma grande escassez de gasolina em todo o país e este homem não pode sair de automóvel nem para comprar comida para a família.
Ele entra em pânico e desiste? Não!
Criativo, ele adapta um pequeno motor à sua bicicleta e sai às ruas.
Os vizinhos ficam maravilhados e todos querem também as chamadas "bicicletas motorizadas".
A demanda por motores aumenta muito e logo ele fica sem mercadoria.
Decide então montar uma fábrica para essa novíssima invenção.
Como não tem capital, resolve pedir ajuda para mais de quinze mil lojas
Espalhadas pelo país.
Como a idéia é boa, consegue apoio de mais ou menos cinco mil lojas, que lhe adiantam o capital necessário para a indústria.
Encurtando a história:
Hoje a Honda Corporation é um dos maiores impérios da indústria automobilística japonesa, conhecida e respeitada no mundo inteiro.
Tudo porque o Sr. Soichiro Honda, seu fundador, não se deixou abater pelos terríveis obstáculos que encontrou pela frente.
Portanto, se você adquiriu a mania de viver reclamando, pare com isso!

Muita paz e sucesso a todos...

"Ninguém é igual a ninguém, cada ser humano é um estranho ímpar"

Show da língua portuguesa!

'Um homem rico estava muito mal, agonizando. Pediu papel ecaneta. Escreveu assim:
'Deixo meus bens a minha irmã não a meu sobrinho jamais serápaga a conta do padeiro nada dou aos pobres. '
Morreu antes de fazer a pontuação. A quem deixava a fortuna? Eram quatro concorrentes.

1) O sobrinho fez a seguinte pontuação:
Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho. Jamais serápaga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

2) A irmã chegou em seguida. Pontuou assim o escrito:
Deixo meus bens à minha irmã. Não a meu sobrinho. Jamais serápaga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

3) O padeiro pediu cópia do original. Puxou a brasa prasardinha dele:
Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais!Será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

4) Aí, chegaram os descamisados da cidade. Um deles, sabido,fez esta interpretação: Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais!Será paga a conta do padeiro? Nada! Dou aos pobres.

Moral da história:
'A vida pode ser interpretada e vivida de diversas maneiras.
Nós é que fazemos sua pontuação.
E isso faz toda a diferença... '

quinta-feira, 31 de julho de 2008

Daniel Godri

video

Quem gosta de surpresa?

E seu eu fala, você................... vai receber uma surpresa amanhã. Como você reage/como você fica com essa noticia?
E se eu fala, você....................vai receber uma surpresa daqui uma semana. Como você reage/como você fica com essa noticia?
E seu eu fala, você.................. vai receber uma surpresa daqui 1 mês. Como você reage/como você fica com essa noticia?
E seu eu fala, você.................. vai receber uma surpresa daqui 1 ano. Como você reage/como você fica com essa noticia?

Como é difícil esperar o tempo certo para que as coisas aconteçam...

Quantos aqui não esta esperando uma resposta de Deus?

Desde criança não somos acostumado com a palavra tempo, já nascemos na era fast-food e da comodidade... deu fome, você pega o telefone, liga pra um fast-food, fala o que quer e em no máximo 28 minutos a comida está na sua casa, e se bobiar em 35 minutos esta na sua barriga e dependendo da velocidade e do que você comer, em 1 hora pode estar na privada.

Nós oramos a Deus pedindo respostas e atendimentos fast-food também, e não temos paciência de esperar que Deus de as respostas. Estamos acostumados e acomodados a pedir e receber, a querer e ganhar, tudo tem que ser do nosso jeito e no nosso tempo...

Quantas vezes tentamos dar conselhos a Deus, dizendo, o Deus faz isso, faz aquilo, talvez assim. Cara quem somos nós para querermos palpitar no modo e no tempo de Deus agir? Foi ele quem criou os céus e a Terra e tudo que nela há, foi Ele quem fez isso, ninguém ficou dando opinião e dizendo que Deus poderia fazer isso ou aquilo. Temos que parar de querermos fazer o papel de Deus, temos que acreditar que sua vontade é boa, perfeita e agradável.

Deus falo grandão isso comigo, eu tava tentando palpita e querer saber os porquês de algumas coisas que eu orava e não acontecia, ai Deus me falo isso na cara mesmo: Bonitão, fui eu quem crio tudo, foi eu quem fez tudo, fui eu quem junto o esperma do seu pai com o óvulo de sua mãe, para que você pudesse nascer, como pode você querer fazer as coisas que cabe a mim fazer? Somente eu sei o que é bom para você.

É fácil seguir a vida quando pedimos algo para Deus e Ele diz não. O problema é quando pedimos algo e Deus fala: Beleza bonitão, a benção é sua, mas o tempo é meu.
I ai como você fica? Crê na promessa ou desanima e cai fora?
Imagina Abraão que teve que esperar 100 anos pra ter seu primeiro filho, ou Jacó que teve que trabalhar 14 anos para poder casar com Raquel. Será que seriamos capazes de esperar todo esse tempo?

Toda promessa passa pelo teste do tempo. Determinadas provas fazem parecer que os dias são meses e os meses anos, mas é somente assim que saberemos se a promessa é verdadeira, se ela está no centro da vontade de Deus, se ela é aprovada mesmo por Deus, porque o tempo apaga qualquer fogo de palha e joga no esquecimento qualquer ilusão feita no nosso coração. Quantas vezes enquanto estamos passando por desertos e dificuldades, ouvimos Satanás cochichando besteiras e mentiras em nossos ouvidos, como: para com isso não vai dar certo, desista disso, você não é capaz de fazer isso bem feito, isso não vai dar em nada desencana, é realmente melhor desistir antes que você quebre mais a cara ainda, ou ainda faz com que surjam problemas e obstáculos, sofrimentos e decepções, para ver se você esta apto mesmo para receber a benção. Se dermos ouvidos a essas coisas que Satanás diz ou faz, nossos ossos, carne e espírito começam a secar até chagar a um ponto que não sobre nada mais de nós e acabamos caindo no meio do caminho. Não podemos deixar isso acontecer, temos que profetizar sobre os desertos e sobre os ossos secos assim como Ezequiel fez, para que possamos realizar o que diz em Romanos 4:17 “e chama a existência as coisas que não são como se já fossem.”

É pra isso que Deus usa o tempo, para testar nossa fé, e ver se nosso coração está somente atraz da benção ou de Deus, em Hebreus 11:1 diz: “A fé é a certeza de que vamos receber as coisas que esperamos e a prova de que existem coisas que não podemos ver.” E em Hebreus 11:6 diz: “Sem fé é impossível agradar a Deus.” Alem de testar nossa fé, e ver aonde nosso coração esta firmado, o tempo serve para testar nosso caráter e para nos ensinar alguma coisa que Deus ache necessária.
Abraão esperou e Deus deu um filho a ele;
Isaque trabalho e esperou e Deus deu Raquel a ele;
José esperou e Deus cumpriu sua promessa;
A Caru esperou pelo estágio e Deus a ajudou.

A fé é a base de tudo, se não tivermos fé para superar o tempo e a espera pela realização das coisas, de que adianta nos denominarmos cristãos?
Quem é cristão crê em algo, e essa crença é para alguém, e esse alguém é alguém que não pode ser visto, tocado e cheirado.
I ai, como fica sua fé então?
Só acredita nas coisas que só podem ver, tocar e cheirar?

Precisamos de um avivamento da fé, precisamos entregar nossos sonhos e vontades nas mãos de quem realmente sabe o que e como fazer, temos que parar de querer ser Deus e fazer as coisas dos nosso jeito.

Esperei com paciência no Senhor, e Ele reclino seus ouvidos e ouviu meu clamor.
Salmos :


Apelo para as pessoas que precisem renovar suas forças e sua fé nas promessas.

Os ouvidos que não ouvem

Você ouve bem?
Tem certeza?
Quantos aqui, estavam assistindo TV, mexendo no PC, quando sua mãe ou alguém o chamou e fingiu não ouvir?

No mundo em que vivemos, somos bombardeados todos os dias por diversas vozes que tentam nos atrair para algum lugar, tentam nos fazer adquirir algo, tentam nos levar pra um caminho errado, tentam nos levar a fazer coisas erradas.... mas sempre que estamos dando ouvidos a alguma coisa errada, é engraçado parar pra pensar, que sempre tem uma voz do outro lado, falando para não fazermos, ou algo mexe conosco e nos deixa meio assim para fazer aquilo errado, na hora vem um entendimento que aquilo não esta certo... ai é a grande cilada e o grande êxtase do mundo... fazer ou não fazer?
Nossa decisão irá gerar uma conseqüência, pode ser ela boa como ruim.

Apesar de sabermos que nossas atitudes geraram uma conseqüência, nem sempre ligamos para isso, preferimos seguir conselhos errados, caminhos errados, entramos em becos destrutivos, em lugares perigosos, andamos por ruas onde talvez não voltemos vivos para casa...
Enfrentamos tanta coisa por ouvir as vozes errada...
E digo as vozes...
Porque sempre são muitas...

Porque isso?
Porque nós damos tanto ouvido as coisas erradas?
2TM 4:4 E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas.
Qual o fim que nos restara seguindo o caminho errado?
Qual o real rumo que você quer que sua vida dê?

Não precisa ser tudo ruim, não precisamos andar em lugares perigosos, Deus tem mais pra nós, muito mais que nós mesmos imaginamos...
Deus, nos da a oportunidade de ouvirmos sua voz e seguir no caminho certo. Sua voz nos conduzirá para um lugar de paz, de vida, de alegria e tudo mais. Basta querermos aceitar.

Temos que tirar os tampões dos ouvidos e ter ouvidos que ouvem... pois somos surdos para ouvir a voz de Deus.

PV 1:33 Mas o que me der ouvidos habitará em segurança, e estará livre do temor do mal.
MT 11:15 Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.

Alguns caras na Bíblia tiveram que fazer essa escolha também.

Jonas, aquele cara que foi engolido pela baleia, foi engolido, porque ouviu a voz de Deus, mas não quis obedecer:
Jonas 1:1-3
Deus tinha falado com ele, tinha dado uma tarefa a ele, e ele decidiu não realizar e ir pro lado ao contrário. Por causa dessa desobediência a voz de Deus, ele foi engolido por uma baleia...

Será que será necessário Deus mandar uma baleia para nos engolir, para que assim, começarmos a seguir seus direcionamentos?

Balaão ouviu Deus falar pra ele não ir amaldiçoar o seu povo, e não deu importância, e olha só o que teve que acontecer, pra ele entender que Deus não queria que ele fosse:

Números 22:21-31

Será que Deus terá que fazer uma mula, um cachorro, um gato, uma formiga, uma barata ou uma lagartixa falar conosco, para entendermos que é Ele falando em nossos ouvidos para não fazermos determinadas coisas?

Davi, quem já não ouviu falar de Davi, o cara que derrotou um gigante com uma pedrada...
Ele sabia ouvir a Deus, e sempre falava com Deus antes de fazer as cosias, antes de ir para cada guerra.

II Sam 30:7-9

É assim que devemos viver, em tudo que formos fazer, perguntar a Deus, e ver qual o caminho que Ele quer que sigamos.


Samuel desde muito pequeno começou a ouvir a Deus, mas ele não sabia como ouvir, e não sabia quando era Deus que falava ou não, por isso ele estava sendo cuidado por uma pessoa mais velha que era Eli, para aprender a viver com Deus e a ouvi-lo.

I Sam 3:1-11

Por isso estou aqui, para ensinar e mostrar, assim como fizeram comigo, só basta vocês pedirem, assim como Samuel pediu a Eli.


ÊX 15:26 E disse: Se ouvires atento a voz do SENHOR teu Deus, e fizeres o que é reto diante de seus olhos, e inclinares os teus ouvidos aos seus mandamentos, e guardares todos os seus estatutos, nenhuma das enfermidades porei sobre ti, que pus sobre o Egito; porque eu sou o SENHOR que te sara.

Pv. 2 "Meu filho, se vc aceitar as minhas palavras e guardar no caração os meus mandamentos; se der ouvidos a sabedoria e inclinar o coração para o discernimento; se clamar por entendimento e por discernimento gritar bem alto; se procurar a sabedoria como se procura a prata e buscá-la como quem busca um tesouro escondido, então você endenderá o que é temer o Senhor e achará o conhecimento de DEUS"

Musica:
Quem – of. G3
Autor da vida

Jefferson Ricardo



Peça de Teatro - Os frutos da Carne VS O fruto do Espírito

Os frutos da carne e do Espírito

Cenário – Arvore dos frutos bons e ruins... Prender na arvore os frutos bons com nomes, e deixar caído no chão os frutos podres com nomes também
Cenário com ring de Boxe

Personagens Satanás e 2 demônios
Espírito Santo
Jovem (fardo)

Roupas : Demônios todo de preto, com rimel e sobre nos olhos,
Satanás, com olhos vermelhos,
Espírito Santo, todo de branco com capa branca
Jovem, com roupa velha e cabelo bagunçado, com corrente ou corda em um dos pés.


Acessórios: 2 pedaços de corda para amarrar os braços do jovem

Musica : musica tensa e de vitória (Marcos tem musicas da mímica)


Personagens – Jovem – Marcos (era da mímica ele)
Satanás - Emilio
Demônio Homem – Eliel
Espírito Santo – Fernando
Narrador – Jefferson


Narrador- Muitas vezes, ficamos perdidos neste mundo doido em que vivemos, não sabemos o que devemos seguir ou no que acreditar, tudo parece estranho, tanta violência, tantas drogas, tantas mortes, o mundo ao nosso redor vai se tornando um caos, perdemos a felicidade de viver, e paramos de acreditar que possa existir um Deus que ama e guarda a todos.
É nessa situação que muitos de nós nos encontramos hoje.

CENA: Espírito Santo e Satanás vão entrando em direção ao ring puxando o jovem, e o jovem fica gritando em sinal de desespero.

Narrador - Ficamos no meio de uma guerra entre satanás e Jesus. Os 2 lados nos querem, só que a intenção de satanás para com nós e uma e a do Espírito Santo é outra.


Narrador: A tensão sobre este jovem esta se tornando algo critico, ele não sabe mais o que fazer, como agir, quem procurar, esta totalmente perdido nas mãos de satanás
CENA- (satanás nessa parte ta puxando ele pra perto e tentando acerta-lo, o jovem se encolhe e tenta se arrasta pro outro lado)
,tudo parece estar caindo sobre sua cabeça, a pressão sobre seus ombros parece insuportável CENA- (o jovem demonstra cansaço e sofrimento).
Então o Espírito Santo diz ao jovem: Meu filho, “vinde a mim todos os que estão cansados e sobrecarregados, que eu os aliviarei.” Mateus 11:28

FALA - Satanás e seus demônios em protesto rugem nervosos, e falam para o jovem: você me quer, eu sei disso, você ama as coisas que este mundo te oferece. Você não pode se unir com esse cara, ele vai te deixar bitolado e excluído dos prazeres que tenho a te oferecer.

FALA - Espírito Santo indignado retruca “Porque Deus amou o mundo de tal maneira, que deu seu único filho, para que todo aquele que nEle crer, não pereça, mas tenha a vida eterna.” João 3:16
Jesus derramou seu sangue na cruz para te salvar, não desista de lutar, estou aqui para te ajudar e te dar a salvação.

FALA - Satanás e seus demônios começam a rir em sinal de deboche e falam: cara, como pode seu lixo, você pensar que Deus vai te aceitar do jeito que você é... você é briguento, fica arrumando brigas e discussões a toa, só para se mostrar, ta nem ai pra ninguém, se você fica com raiva de algo, desconta na primeira pessoa que você vê, você só pensa em você mesmo...HAHAHAHA... você é muito mais parecido comigo do que com esse cara ai, você não concorda comigo?

FALA - Espírito Santo fala: meu filho amado, meu querido, eu te amo do jeito que você está, venha pra junto de mim, para que eu possa cuidar de seus ferimentos e de suas cicatrizes, que o tempo e o sofrimento lhe causaram... quero te mostrar a verdadeira felicidade, paz e alegria que tenho a te oferecer...
Não me importo com o que você fez no passado, meu amor por você é paciente e bondoso, não levo em conta o tempo em que você estava perdido, confuso e sem direção neste mundo. Eu te quero hoje e agora! Que tal fazer parte dessa festa comigo? Aceita?

CENA - O Jovem começa a caminhar em direção ao Espírito Santo, e os demônios fazem força para traze-lo de volta, mas não conseguem, então satanás fica nervoso e começa a bater nos demônios em sinal de protesto.

FALA - Satanás nervoso e batendo nos demônios começa a bravejar nervoso... Bom, ele pode te amar igual ele ta falando, mas eu tenho certeza que esse cara ai que se acha o Ban Ban Ban, não vai te dar as mulheres que eu posso te oferecer, não vai te dar os prazeres que eu posso te oferecer,... cara eu posso te dar quantas mulheres, dinheiro e fama que você quiser!!! Meu e os goro, como vai fica? Os baseado? Você quer ficar sem tudo isso pro resto da vida? Se você quer essa vidinha inútil, de lixo, pode ficar com ele.

FALA - O Espírito Santo fala: mulheres só irão te trazer prazeres momentâneos e uma séria culpa depois, ou um filho, uma doença... quantos jovens você não conhece que por causa de suas paixões por mulheres perderam tudo o que tinham na vida, ou tiveram filhos indesejados ou ainda adquiriram alguma doença sexualmente transmissível?
É no seu corpo que eu monto minha morada, assim como diz em I Corintios 6:19a.
“Será que vocês não sabem que o corpo de vocês é o templo de Espírito Santo, que vive em vocês e lhes foi dado por Deus?
A bebedeira traz sérias conseqüências para você e para toda sua família, alem de matar também, Efésio 5:18 “Não se embriaguem, pois a bebida levara vocês a desgraça; mas encham-se do Espírito de Deus.”
Sou eu quem te conduz a vida inteira e guarda teus passos de dia e de noite, não posso aceitar que satanás com suas mentiras destrua sua vida, pois você é muito importante e especial para mim...

CENA - O jovem fica indeciso, não sabe o que fazer ou com quem ficar, ele se ajoelha no chão e começa a balançar a cabeça, confuso e atordoado... nisso Satanás e seus demônios começam a puxar o jovem para perto de si e ele começa a ceder... quando o jovem chega perto dele, os demônios e satanás começam a bater nele... o Espírito Santo só fica olhando o jovem com muita tristeza no coração, mas não pode fazer nada até que o jovem clame pela ajuda do Senhor...
Em sua angustia e aflição diante da cena, o Espírito Santo diz: Filho obedeça a Deus, enfrente o diabo e ele fugirá de você.
Passa-se alguns instantes (musica de drama, suspense), o jovem continua sendo surrado, e derrepente ele grita (o jovem mesmo grita nessa parte): Senhor, socorro, ajuda-me.

CENA - Nesse momento o Espírito Santo começa a caminhar em direção ao jovem, com a mão estendida, expulsando os demônios e satanás de perto do jovem, Ele arranca as cordas do jovem e limpa seus ferimento.
O jovem se ajoelha e começa a chorar e a pedir perdão por todo pensamento impuro, toda imoralidade sexual, toda ação indecente, toda feitiçaria, toda inimizade, toda briga, toda ciumeira, toda ira, toda ambição, toda desunião, toda bebedeira, toda farra.

FALA - Então o Espírito Santo o levanta do chão com muito amor e lhe diz: agora você se tornou um fruto doce.
O Espírito Santo continua falando e diz, agora te dou os frutos doces do meu Espírito: o amor, a alegria, a paz, a paciência, a delicadeza, a bondade, a fidelidade, a humildade e o demônio próprio.

CENA FINAL: O jovem abraça o Espírito Santo.

Frase: Livro O Homem do Céu

"Não são os grandes homens que transformam o mundo, mas sim os fracos nas mãos de um grande Deus"

Livro O homem do céu.

Frase: Rabia, 800 D.C.

" Se eu te adorar por medo do inferno, Queima-me no inferno !Se eu te adorar pelo paraíso, Exclua-me do paraíso !Mas seu eu te adorar pelo que Tu és, não escondas de mim Tua face ! "

Rabia, 800 D.C.

Frase: Livro os 3 campos de batalha.

A Vitória começa com o nome de Jesus em seus lábios, mas não sera consumado enquanto a natureza de Jesus não estiver em seu coração.
Livro os 3 campos de batalha.

Estratégias Bíblicas para Evangelismo Urbano

Rev. Valdeci da Silva Santos

Introdução
® A Reforma Protestante do século XVI foi um redescobrimento da Palavra de Deus e das doutrinas da Graça
(Ver um panorama geral da Reforma)

® A Reforma Protestante foi, em certo sentido, um movimento popular e urbano.
. Os esforços em prol da tradução da Bíblia na linguagem do povo;

. É impossível estudar sobre a Reforma sem levar em conta os nome de algumas cidades associadas ao movimento
1. Wittenberg (Lutero) ® Cidade da Alemanha onde Fredrerick fundou uma Universidade em 1502;
2. Augsburgo ® Cidade alemã onde Lutero foi convocado para uma Dieta em 1518, onde ele e Melanchton produziram uma Confissão Luterana em 1530 e onde o Luteranismo foi oficialmente reconhecido em 1555 (A Paz de Augsburgo);
3. Zurique ® (Zwínglio) Cidade da Suíça que é hoje um dos maiores centros financeiros do mundo;
4. Strasburgo ® Cidade do reformador Martin Bucer, professor e mentor de João Calvino;
5. Genebra ® Cidade suíça, campo de atuação de João Calvino
. Cidade refúgio para os protestantes perseguidos pela Igreja romana;
. Centro universitário para a formação da liderança protestante através da Academia de Genebra;
. John Knox ® “a mais perfeita escola de Cristo na terra desde os dias dos apóstolos.”

® Há muitos que acusam os reformadores de falta de interesse missionário:
. Gustav Warneck, o pai da missiologia, 1960, Outline of a history of Protestant missions (Edinburgh and London: Oliphant, Anderson & Farrier).
. Stephen Neil, o grande historiador americano, 1966, A history of Christian mission (Harmondsworth: Penguin).
. David J. Bosh, sul-africano, 1996, Transforming mission (Maryknoll, NY: Orbis Book).

Quais os problemas com estas acusações?
1. Conceitual ® O que é missões? Apenas uma obra transcultural?
2. Ignorância dos obstáculos práticos dos reformadores
a) A tarefa de reformar a Igreja consumia tempo e energia;
b) A ausência de contatos diretos com povos de além-mar;
c) A luta pela sobrevivência, que só foi garantida a partir da Paz de Westfália (1648);
d) A falta de consenso entre os protestantes ® Luteranos, Calvinistas-hugenotes, Anabatistas(o qual protesta o batismo de criança {Aurelio} ), etc.
3. A negligência aos esforços evangelísticos utilizados
e) A pregação da Palavra ® “pregação era uma visitação da parte de Deus” - 5 sermões por semana;
f) O uso da literatura ® comentários de quase todos os livros da Bíblia, exceto o livro do Apocalipse;
g) A abertura de escolas e centros de catequese (Melanchton e Calvino - educação);
h) A doutrina da vocação ® o erro de Max Weber, Capitalismo
® Como era o evangelismo Urbano da época da Reforma?
1. “O objetivo supremo desta obra é glorificar a Deus . . . O primeiro objetivo da pregação do evangelho não é salvar almas; é glorificar a Deus. Não se tolerará que nenhuma outra coisa, por melhor que seja nem por mais nobre, usurpe esse primeiro lugar,” Martin Lloyd-Jones, Discernindo os tempos, 15;
2. O único poder que realmente pode realizar esta obra eficazmente é o Espírito Santo, pg. 15
3. O único e exclusivo meio pelo qual o Espírito Santo opera é a Palavra de Deus . . . O meio usado pelo Espírito é a verdade, pg. 16
4. A apreensão destes princípois resulta em amor pelas almas dos perdidos, Rm 10.1-2;
5. É mister zelar contra o perigo de usar métodos antibíblicos, pg. 16;

Lições Bíblicas
® Pressuposições Básicas:
1. Urbanismo não é um fenômeno que surgiu a partir da 2a metade do séc. XX;
. A cidade tem sempre se mantido como centro de integração da cultura humana;
2. O alvo do evangelismo urbano não são os estudos demográficos, e nem os desvios políticos ou espiritualizantes, mas pessoas;
. Pessoas estessadas, desajustadas, famílias quebradas, conflitos de valores, desemprego, etc.
3. Qualquer estratégia a ser utilizada deve levar em considerações as características da sociedade
. Não há modelo pré-fabricado;
. Não é a Willow Creek, não é o modelo coreano, etc.

® Exemplos
Paulo em Atenas
® Conhecendo a cidade:
. Importante centro filosófico ® a Meca dos filósofos
. Cidade cosmopolitana ® o secularismo imperava

® Como Paulo reage?
1. Ele tem um coração que pulsa em sintonia com o coração de Deus, vs. 16-7 ® cf. Rm 10.1-2
2. Ele procura conhecer aqueles a serem evangelizados
. Como?
a) Relacionamentos, vs. 17
b) Observando seus objetos de culto, vs. 23
c) Conhecia sua literatura, vs. 28

3. Anuncia Jesus a partir de suas preocupações emergentes, vs 23
4. Ele percebe os sintomas concretos do desconhecimento de Deus
d) A curiosidade doutrinária, vs 19
e) A religiosidade acentuada, vs 22
5. Não prega sobre o evangelho, mas prega o evangelho Atos 17:16-34
f) Conhece sua mensagem a ponto de resumi-la
g) Apresenta aquilo que os atenienses realmente precisavam
h) Totalmente bíblico
i) Sem receio de ser doutrinário
j) Experimentalmente prático
6. Total dependêcia no Espírito Santo, vs 32-33
. A confiança de que a obra da conversão pertence ao Senhor

Romanos 10

® O que fazer para evangelizar?

1. Devemos ter compaixão pelas almas perdidas, vs. 1
. Aqui Paulo faz um apelo do coração
. Rom. 9:2-3 => A preocupação evangelística de Paulo dá-lhe dor no coração
> O argumento hipotético -> Preferia ser um anátema se os judeus fossem covertidos
. O que levaram os missionários a deixar o conforto dos seus lares para evangelizar outros povos?
Compaixão pelas almas

2. Devemos conhecer a condição espiritual daqueles a serem evangelizados, vs. 2
. Não a situação econômica, mas a situação espiritual
. A condição dos Judeus poderia ser conhecida pela própria experiência de Paulo
. Ele havia sido extremamente zeloso, Gal. 1.14
. Ele havia perseguido a igreja, Gal. 1.13 e Fil. 3.6
. Ele se diz tão zeloso quanto seus contemporâneos, Atos 22.3
. Algumas vezes ele chegou a ser obcecado, Atos 26.9ss

. Paulo poderia testificar:
a. O zelo religioso dos Judeus
. Sinceridade não é suficiente - zelo sem entendimento
b. A confusão religiosa dos Judeus
. Eles desconheciam a justiça de Deus e procuravam estabelecer sua própria
. Calvino “O primeiro passo para se obter a justiça de Deus é renunciar a justiça própria”

3. Devemos conhecer a mensagem a ser anunciada, vs. 4ss
. Qual mensagem?
a) Não nossa história pessoal - aquilo que fizemos para Deus
b) Não as bênçãos de Cristo
c) Não o sistema de governo de uma denominação

. Cristo é o fim da Lei, vs. 4
. A justiça da fé vs. a justiça da Lei
a. Ele é acessível à nós, vs. 7-8
b. Ele não é obtido por obras, mas pela fé, vs. 8
c. Salvação é oferecida a todos, vs. 12
. Não há distinção de raça, cor, sexo, etc.

4. Devemos conhecer o MODUS OPERANDIS da salvação, vs. 9-17
. Salvação implica em fé e confissão, vs. 9
. As duas demandam pregação (vs. 14) => ida (vs. 15) => envio (vs. 15)

Espírito de conquista

A percepção é fundamental para que Deus nos dê a vitória.
Dos doze espias enviados à terra prometida, dois tiveram a percepção correta de que o mesmo Deus que havia aberto o Mar Vermelho, providenciado o Maná, tirado água da rocha, lhes daria vitória sobre os gigantes da terra, enquanto os demais se consideraram como gafanhotos diante da estatura daqueles homens.
Situações iguais com percepções diferentes. O que muda? O espírito. A maioria tinha um espírito de derrota. Viram a mão de Deus operar, mas estavam com medo.
Josué e Calebe, porém, advertem que o povo da terra não deveria ser temido pois o Senhor estava com eles; o amparo do povo inimigo havia sido retirado: “Tão somente não sejais rebeldes contra o Senhor, e não temais o povo desta terra, porquanto como pão os podemos devorar; retirou-se deles o seu amparo; o Senhor é conosco; não os temais” - Números 14:9.
Quando estamos no mundo usamos as armas do mundo, quando somos de Deus usamos as armas de Deus. Jesus trouxe novas armas para a nossa luta. É momento de descobrirmos essas armas para podermos usá-las a nosso favor conforme a palavra de Paulo em I Coríntios 10:4-5:
“Porque, embora andando na carne, não militamos segundo a carne. Porque as armas da nossa milícia não são carnais, e, sim, poderosas em Deus, para destruir fortalezas; anulando sofismas e toda altivez que se levante contra o conhecimento de Deus, levando cativo todo pensamento à obediência de Cristo”.
O diabo quer nos fazer acreditar que as armas que temos em mãos são ineficazes na batalha e, se as utilizarmos nada acontecerá. Por isso, muitas vezes, não cremos nas armas que Deus nos deu e as fortalezas permanecem intactas. Existem fortalezas que precisam ser destruídas. Use as armas espirituais e veja os resultados.
Deus não nos deu espírito de temor (II Timóteo 1:7). A nossa postura deve ser outra. Espírito de vitória e não de temor.
Para isso alguns pré-requisitos são necessários:
1. COMPROMISSONão é possível usar as armas espirituais sem um compromisso firme com Jesus.
2. HUMILDADENão faça nada para sua glória, mas para a glória de Deus.
3. VERDADEVocê não precisa fingir que é crente. Derrame-se e seja verdadeiro. Não é possível enganar a Deus.Não é hora de olharmos de longe. É tempo de participarmos da conquista, para a glória de Deus. A palavra que Deus tem nos dado é esta: estamos à beira do Jordão. É hora de passar e conquistar.Se você se sente fraco, despreparado e sem condições de lutar, Deus quer te
levantar.
TRÊS ARMAS DE VITÓRIA
Não é da vontade de Deus que lutemos a vida inteira sem conquistar nada. Deus quer virar as páginas da nossa vida e nos levar de vitória em vitória.
Davi perseguiu seus inimigos e os destruiu. Não se trata de atingir pessoas, mas sim fortalezas espirituais. Fomos chamados para uma batalha. É coisa para soldados, não para crianças.
Muitas vezes gastamos nosso tempo e nossas forças em desavenças com os irmãos, em vez de sairmos e lutarmos.
1. DÍZIMOS E OFERTASArma de vitória. Por causa da nossa fidelidade, Deus vai repreender o devorador. Se você vai para o monte orar, muitos demônios serão repreendidos, mas o devorador só será repreendido pela sua fidelidade em retornar ao Senhor aquilo que é Dele.
2. DESPOJO“Eu darei mercê a este povo aos olhos dos egípcios; e quando sairdes não será de mãos vazias. Cada mulher pedirá à sua vizinha e à sua hóspeda jóias de prata, e jóias de ouro e vestimentas; as quais poreis sobre vossos filhos e sobre vossas filhas; e despojareis os egípcios” - Êxodo 3:21-22.
Questão espiritual: “quando saírdes não saireis vazios”. Para receber os despojos é preciso sair do Egito. Não se pode querer ficar no Egito e usufruir do seu despojo. Deus nos tem levantado, para, através do nosso trabalho, angariarmos recursos e riquezas que estarão sendo usados para sustentar o Reino e a obra missionária. Muitas vezes Deus usa pessoas e recursos inesperados para abençoar seu povo.Saquear o Egito é Deus abençoar a nossa travessia do mar e ao mesmo tempo emperrar as rodas dos carros dos egípcios – (Êxodo 14:25).
3. LOUVOR II Crônicas 20:26 – Vale de Beraca – Vale da BençãoA estratégia dada pelo Senhor foi diferente. Josafá colocou os cantores antes dos soldados:
“Aconselhou-se com o povo, e ordenou cantores para o Senhor, que, vestidos de ornamentos sagrados, e marchando à frente do exército, louvassem a Deus, dizendo: Rendei graças ao Senhor, porque as suas misericórdias duram para sempre. Tendo eles começado a cantar e a dar louvores, pôs o Senhor emboscadas contra os filhos de Amom e de Moabe, e os do monte Seir que vieram contra Judá, e foram desbaratados” – II Crônicas 20:21-22.
Quando passamos por uma luta muito dura, mas somos fieis e louvamos ao Senhor, Ele nos dá a vitória e além da vitória, o despojo. Tiramos dessa batalha lições preciosas para nossas vidas. Isto é o despojo da luta. “Tomaram para si mais do que podiam levar, e três dias saquearam o despojo, porque era muito”. – (v. 25).
Em Gênesis 26:12-13 vemos a história de Isaque que semeou na terra e colheu a cento por um, por que o Senhor o abençoava.
Na minha própria experiência Deus reverteu a minha história profissional e deu vitória e prosperidade na empresa. Daí e ser-vos-á dado. Os recursos que entram também são usados para o Reino de Deus, para a obra missionária.
Outro caso é o da rainha de Sabá (I Reis 10:4).Se nos comportamos como reis e sacerdotes, à semelhança de Salomão, Deus move pessoas para nos abençoar e enviar recursos que serão utilizados para o Reino de Deus.
Você está disposto a conquistar o que Deus tem para você?
Você precisa receber de Deus o espírito de conquista.
O povo de Israel foi liberto, mas o espírito de escravidão continuou junto com eles.
Todas as nações que estavam na terra foram expulsas e Josué conquistou a terra.

Pr. Ulisses Sabará

As barreiras da Comunicação

O que é comunicação? É um processo de troca de informação entre pessoas, composto de três elementos: Falar, ouvir e compreender.

Falar: Expressar-se por palavras ou gestos, discorrer sobre um assunto, conversar.
Ouvir: Perceber, dar atenção, escutar.
Compreender: Entender, ouvir, discernir.

Como está sua comunicação com Deus?
Você tem falado com Deus?
Você tem ouvido Deus falar? Tem dado atenção ao que Ele fala?
Você tem compreendido o que Deus fala?

Temos que aprender a nos comunicar com Deus, deixar com que ele fale conosco também, temos que dar atenção a Deus e compreendermos e discernirmos o que Ele quer para nós, se fizermos isso, estaremos andando no caminho certo.
O processo é esse: Falar, ouvir, comprrender.
Se pularmos uma dessas partes, todo o processo se compromete. Muitas vezes falamos com Deus, mas só queremos falar, falar e falar, despejar um monte de coisa em Deus e cair fora...
Outras vezes falamos e esperamos para ouvir a resposta e a direção de Deus, mas nem sempre queremos seguir o que Deus esta nos falando, e algumas vezes é mó barato, quanto mais Ele insiste, mais corremos dele e deixamos ele de lado.
Se falarmos com Deus e esperarmos Ele responder, certamente Ele o fará, mas o processo se complica na parte de compreender. Muitas vezes Deus fala através da Biblia, outras vezes através de sonhos, outras ainda através de pessoas, amigos, familiares... o problema é aceitarmos o que Deus nos propõe. É fácil falar que ama a Deus, o difícil é sair do comodismo e da total independência de Deus e começar a mudar, a caminhar, a crescer e atingir novos horizontes. Se não damos atenção ao que Deus sempre está nos falando, corremos o risco de colher coisas que nçao estávamos esperando, mas se ouvirmos os direcionamentos de Deus e o seguirmos, com certeza o nosso tesouro será jubilo e alegria, não dor e tristeza.

Do mesmo jeito que nos comunicamos com Deus e nos relacionamos com Ele, é nossa comunicação e nosso relacionamento com nossa família. Se você tiver uma boa comunicação com a família, colherá bons frutos, mas se não tiver, será só encrenca e solidão.

Encima de tudo que falamos, porque a comunicação é tão importante dentro da família?
Porque quando a comunicação esta funcionando bem, os relacionamentos familiares tendem a melhorar cada vez mais, pois há atenção, compreensão, sinceridade, expressão de amor, carinho, dedicação, compromisso, etc..

Jefferson Ricardo

Dia dos Namorados

O Dia dos Namorados está chegando e preparamos um especial com a história, Eu te amo em vários idiomas, dicas de receitas e presentes para esta data tão especial. Confira!O Dia dos Namorados é uma data comemorativa na qual se celebra a união amorosa entre casais, quando é comum a troca de cartões com mensagens românticas e presentes, tais como caixas de bombons em formato de coração. No Brasil, a data é comemorada no dia 12 de junho, mas em grande parte do mundo, como EUA, Itália e Canadá, a data escolhida é 14 de fevereiro. Os cartões com mensagens foram feitos, pela primeira vez, por volta de 1800 e alguns eram bem enfeitados e decorados com pássaros e flores. Atualmente, alguns dos cartões mais populares são os de humor. O Dia dos Namorados se tornou uma data especial, com direito a troca de presentes, cartões, bilhetes, flores, bombons, ou seja, uma infinidade de opções para se dizer "Eu Te Amo!".Alguns países comemoram o Dia dos Namorados de outras formas, como na Itália, as pessoas fazem um grande banquete no dia 14 de fevereiro, na Inglaterra, as crianças cantam músicas e recebem doces e balas de frutas de seus pais, e, na Dinamarca, as pessoas mandam flores prensadas umas às outras, chamadas "flocos de neve". Já no Japão, a data foi introduzida em 1936 e o costume neste dia é as mulheres presentearem os namorados com caixas de chocolates. Nos EUA, nos dias que antecedem 14 de fevereiro, lojas de cartões, livrarias, lojas de departamentos e drogarias oferecem uma grande variedade de cartões comemorativos.

Eu te amo em vários idiomas!
Africano - Ek is lief vir jou
Albanês - Te dua
Alemão - Ich liebe Dich
Árabe - Ohiboka (mulher para homem)
Árabe - Ohiboke (homem para mulher)
Armênio - Yes kez sirumen
Búlgaro - Obicham te
Cantonês - Ngo oi ney
Coreano - Dangsinul saranghee yo
Dinamarquês - Jeg elsker dig
Eslovaco - lubim ta
Espanhol - Te amo
Esperanto - Mi amas vin
Finlandês - Mina rakastan sinua
Francês - Je taimeGrego - Sayapo
Holandês - Ik hou van jou
Húngaro - Szeretlek te`ged
Inglês - I love you
Ioguslavo - Ja te volim
Iraniano - Mahn doostaht doh-rahm
Irlandês - Taim i ngra leat
Islandês - Eg elska thig
Italiano - ti amo
Japonês - Ai shiteiru
Javanês - Kulo tresno
Latim - Te amo
Libanês - Bahibak
Mandarin - Wo ai ni
Norueguês - Eg elskar deg
Persa - Doo-set daaram
Português (Brasil) - Eu te amo
Português (Portugal) - Amo-te
Russo - Ya tebya liubliu
Sueco - Jag alskar dig
Tcheco - miluji te
Turco - Seni Seviyorum
Vietnamita - Toi yeu em
Yiddish - Ich libe dich
Zulu - Mena Tanda Wena

Para os(as) solteiros(as)!!!Como manda a tradição, no Dia dos Namorados os casais costumam ficar juntos, com todo aquele clima romântico, mas algumas pessoas ainda não encontraram um amor. A Vida também lembrou dos solteiros(as) e passamos algumas dicas de passeios no Dia dos Namorados, com um amigo(a) ou um familiar.Quem está solteiro(a) pode ir em algum parque como o Ibirapuera andar de bike ou caminhar ou até fazer um piquenique. Museu também é uma boa pedida para quem gosta de cultura, além de exposições, cinema, teatro ou feiras. Se você é consumista e pode gastar, vá ao shopping e se dê um presente!

Treinamento de Lideres

Devemos insistir com determinação para que
· O evangelho seja pregado
· Os perdidos sejam alcançados
· Os fiéis sejam equipados
· Os pobres sejam servidos
· Os solitérios sejam envolvidos pela comunhão do corpo de Cristo.
· E que Deus leve o crédito de tudo


Visão ( a mais poderosa arma de um líder ) – Pv 29:18 – Quando não há visão o povo não tem freio ) Jerusalem

Visão é uma imagem do futuro que produz paixão, e faz o coração bater mais rápido.
Qual imagem produz esse efeito em você?
( Entrar com projeções )
Você pode dar a sua vida por isso ?
Trechos do filme ( a última fortaleza e duelo de titãs )


Exercício de visão


Qual é a alma da Edificando?

Precisamos crer nesse projeto e empunhar essa bandeira
Ë impossível para uma igreja fazer tudo
Qual é o foco?

Vídeo com a visão da igreja.



A visão de uma tropa
· Animados
· Cansados
· Feridos

Uma visão não se realiza num piscar de olhos.
Como transformar uma visão em realidade
Além da visão precisamos Ter um plano de ação.

Elaborar o nosso plano de ação.

Como integrar os novos membros nos Trabalhos

· Aumentar o número de pessoas no culto de Domingo
· Ter 100% de participação nas células
· Todos envolvido em pelo menos um ministério.
· Assistir ao necessitado

Quem está disposto a comprometer os próximos cinco anos de sua vida liderando a realização dessas metas.
Você pode imaginar a edificando daqui a cinco anos.

EVANGELIZAR PARA TRAZER PARA A IGREJA

Somos uma igreja

Como dizer que somos membros de um único corpo se não caminharmos na mesma direção e perseguimos os mesmos objetivos.?

Quem não está alinhado não pode caminhar junto.
Estou pedindo 100% de alinhamento com comprometimento, oração e trabalho.


Vamos fazer uma avaliação do nosso ministério no ano passado?
Está bom?
Você acha que você fez o melhor, ou tem algo mais que poderia ser feito.

Você quer competir ou quer vencer?

O que esperamos de um lider?
· Caráter
· Competencia
· Combinação ( comigo e com o resto da equipe )

Apresentar o projeto da escola de líderes para o próximo ano.

Estabelecer desafios claros e desafiadores - Mt 28: 19 e 20

Reconhecimento dos líderes.


Recursos – Sl 50:12

Deus é a fonte suprema de recursos
Pessoas gostam de contribuir nas circunstancias corretas.
O desafio de financiar o ministério demonstra o caráter do líder


Novos líderes

Notar o potencial
Investir
Confiar responsabilidade

Ensinar como
Ensinar com
Enviando e corrigindo

Lider tem que gerar lider


Como tomo decisões?
Tenho certeza do meu chamado? - At 20 : 24
A minha visão é clara ( onde quero chegar )
A minha paixão está acesa
Estou desenvolvendo os meus dons?
Quais são os meus tres principais dons espirituais
Meu caráter está submisso a Cristo e a liderança
Meu orgulho foi subjugado
Estou derrotando o medo
Meu rítmo é sustentável
Meu amor por Deus e pelas pessoas está aumentando

Jejum

O jejum é a abstinência total ou parcial de alimentos por um período definido e propósito específico. Tem sido praticado pela humanidade em praticamente todas as épocas, nações, culturas e religiões. Pode ser com finalidade espiritual ou até mesmo medicinal, visto que o jejum traz tremendos benefícios físicos com a desintoxicação que produz no corpo. Mas nosso enfoque é o jejum bíblico.
Muitos cristãos hoje desconhecem o que a Bíblia diz acerca do jejum. Ou receberam um ensino distorcido ou não receberam ensinamento algum sobre este assunto. Creio que a Igreja de hoje vive dividida entre dois extremos: aqueles que não dão valor algum ao jejum e aqueles que se excedem em suas ênfases sobre ele. Penso que Deus queira despertar-nos para a compreensão e prática deste princípio que, sem dúvida, é uma arma poderosa para o cristão.
Não há regras fixas na Bíblia sobre quando jejuar ou qual tipo de jejum praticar, isto é algo pessoal. Mas a prática do jejum, além de ser recomendação bíblica, traz consigo alguns princípios que devem ser entendidos e seguidos.

A BÍBLIA ORDENA O JEJUM ?
Não. No Velho Testamento, na lei de Moisés, os judeus tinham um único dia de jejum instituído: o do Dia da Expiação (Lv.23:27), que também ficou conhecido como "o dia do jejum" (Jr.36:6) e ao qual Paulo se referiu como "o jejum" (At.27:9). Mas em todo o Velho e Novo Testamento não há uma única ordem acerca de jejuarmos. Contudo, apesar de não haver um imperativo acerca desta prática, a Bíblia esta cheia de menções ao jejum. Fala não apenas de pessoas que jejuaram e da forma como o fizeram, mas infere que nós também jejuaríamos e nos instrui na forma correta de faze-lo.
Muitos ensinadores falharam de maneira grave ao dizer que, por não haver nenhuma ordem específica para o jejum, então não devemos jejuar. Mas quando consideramos o ensino de Jesus sobre o jejum, não há como negar que o Mestre esperava que jejuássemos:
"Quando jejuardes, não vos mostreis contristados como os hipócritas; porque desfiguram o rosto com o fim de parecer aos homens que jejuam. Em verdade vos digo que eles já receberam a sua recompensa. Tu, porém, quando jejuardes, unge a cabeça e lava o rosto, com o fim de não parecer aos homens que jejuas, e sim ao teu Pai, em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará." (Mt.6:16-18).
Embora Jesus não esteja mandando jejuar, suas palavras revelam que ele esperava de nós esta prática. Ele nos instruiu até na motivação correta que se deve ter ao jejuar. E quando disse que o Pai recompensaria a atitude correta do jejum, nos mostrou que tal prática produz resultados!
Algumas pessoas dizem que se as epístolas não dizem nada sobre jejuar é porque não é importante, e desprezam o ensino de Jesus sobre o jejum. Isto é errado! Jesus não veio ensinar os judeus a viverem bem a Velha Aliança, Ele veio instituir a Nova Aliança, e todos os seus ensinos apontavam para as práticas dos cidadãos do reino de Deus. Quando estava para ser assunto ao céu, deu ordem aos seus apóstolos que ensinassem as pessoas a guardar TUDO o que Ele tinha ordenado (Mt.28:20), inclusive o modo correto de jejuar!
O próprio Jesus praticou o jejum, e lemos em Atos que os líderes da Igreja também o faziam. Registros históricos dos pais da igreja também revelam que o jejum continuou sendo observado como prática dos crentes muito tempo depois dos apóstolos. O jejum, portanto, deve ser parte de nossas vidas e praticado de forma equilibrada, dentro do ensino bíblico.
Embora o próprio Senhor Jesus tenha jejuado por quarenta dias e quarenta noites no deserto, e muitas vezes ficava sem comer (quer por falta de tempo ministrando ao povo - Mc.6:31, quer por passar as noites só orando sem comer - Mc.6:46), devemos reconhecer que Ele e seus discípulos não observavam o jejum dos judeus de seus dias (exceto o do dia da Expiação). Era costume dos fariseus jejuar dois dias por semana (Lc.18:12), mas Jesus e seus discípulos não o faziam. Aliás chegaram a questionar Jesus acerca disto:
"Disseram-lhe eles: Os discípulos de João e bem assim os fariseus freqüentemente jejuam e fazem orações; os teus, entretanto, comem e bebem. Jesus, porém, lhes disse: Podeis fazer jejuar os convidados para o casamento, enquanto está com eles o noivo? Dias virão, contudo, em que lhes será tirado o noivo; naqueles dias, sim, jejuarão." (Lc.5:33-35).
O Mestre mostrou não ser contra o jejum, e disse que depois que Ele fosse "tirado" do convívio direto com os discípulos (voltando ao céu) eles haveriam de jejuar. Jesus não se referiu ao jejum somente para os dias entre sua morte e ressurreição/reaparição aos discípulos (ao mencionar os dias que eles estariam sem o noivo), e sim aos dias a partir de sua morte. Contudo, Jesus deixou bem claro que a prática do jejum nos moldes do que havia em seus dias não era o que Deus esperava. A motivação estava errada, as pessoas jejuavam para provar sua religiosidade e espiritualidade, e Jesus ensinou a faze-lo em secreto, sem alarde.
Sabe, o jejum pode ser uma prática vazia se não for feito de maneira correta. Isto aconteceu nos dias do Velho Testamento, quando o povo começou a indagar:
"Por que jejuamos nós, e não atentas para isto? Por que afligimos a nossa alma, e tu não o levas em conta?" (Is.58:3a).
E a resposta de Deus foi exatamente a de que estavam jejuando de maneira errada:
"Eis que, no dia em que jejuais, cuidais dos vossos próprios interesses e exigis que se faça todo o vosso trabalho. Eis que jejuais para contendas e para rixas e para ferirdes com punho iníquo; jejuando assim como hoje, não se fará ouvir a vossa voz no alto." (Is.58:3b,4).
Por outro lado, o versículo está inferindo que se observado de forma correta, Deus atentaria para isto e a voz deles seria ouvida.

O PROPÓSITO DO JEJUM
Gosto de uma afirmação de Kenneth Hagin acerca do jejum: "O jejum não muda a Deus. Ele é o mesmo antes, durante e depois de seu jejum. Mas, jejuar mudará você. Vai lhe ajudar a manter-se mais suscetível ao Espírito de Deus". O jejum não tornará Deus mais bondoso ou misericordioso para conosco, ele está ligado diretamente a nós, à nossa necessidade de romper com as barreiras e limitações da carne. O jejum deixará nosso espírito atento pois mortifica a carne e aflige nossa alma.
Jesus deixou-nos um ensino precioso acerca disto quando falava sobre o jejum:
"Ninguém põe vinho novo em odres velhos; do contrário, o vinho romperá os odres; e tanto se perde o vinho como os odres. Mas põe-se vinho novo em odres novos." (Mc.2:22).
O odre era um recipiente feito com pele de animais, que era devidamente preparada mas, com o passar do tempo envelhecia e ressecava. O vinho, era o suco extraído da uva que fermentava naturalmente dentro do odre. Portanto, quando se fazia o vinho novo, era sábio colocá-lo num recipiente de pele (o odre) que não arrebentasse na hora em que o vinho começasse a fermentar, e o melhor recipiente era o odre novo. Com essa ilustração Jesus estava ensinado-nos que o vinho novo que Ele traria (o Espírito Santo) deveria ser colocado em odres novos, e o odre (ou recipiente do vinho) é nosso corpo. A Bíblia está dizendo com isto que o jejum tem o poder de "renovar" nosso corpo. A Escritura ensina que a carne milita contra o espírito, e a melhor maneira de receber o vinho, o Espírito, é dentro de um processo de mortificação da carne.
Creio que o propósito primário do jejum é mortificar a carne, o que nos fará mais suscetíveis ao Espírito Santo. Há outros benefícios que decorrerão disto, mas esta é a essência do jejum.
Alguns acham que o jejum é uma "varinha de condão" que resolve as coisas por si mesmo, mas não podemos ter o enfoque errado. Quando jejuamos, não devemos crer NO JEJUM, e sim em Deus. A resposta às orações flui melhor quando jejuamos porque através desta prática estamos liberando nosso espírito na disputada batalha contra a carne, e por isso algumas coisas acontecem.
Por exemplo, a fé é do espírito e não da carne; portanto, ao jejuar estamos removendo o entulho da carne e liberando nossa fé para se expressar. Quando Jesus disse aos discípulos que não puderam expulsar um demônio por falta de jejum (Mt.17:21), ele não limitou o problema somente a isto mas falou sobre a falta de fé (Mt.17:19,20) como um fator decisivo no fracasso daquela tentativa de libertação. O jejum ajuda a liberar a fé! O que nos dá vitória sobre o inimigo é o que Cristo fez na cruz e a autoridade de seu nome. O jejum em si não me faz vencer, mas libera a fé para o combate e nos fortalece, fazendo-nos mais conscientes da autoridade que nos foi delegada.
Mas apesar do propósito central do jejum ser a mortificação da carne, vemos vários exemplos bíblicos de outros motivos para tal prática:
a) No Velho Testamento encontramos diferentes propósitos para o jejum:
Consagração – O voto do nazireado envolvia a abstinência/jejum de determinados tipos de alimentos (Nm.6:3,4);
Arrependimento de pecados – Samuel e o povo jejuando em Mispa, como sinal de arrependimento de seus pecados (I Sm.7:6, Ne.9:11);
Luto – Davi jejua em expressão de dor pela morte de Saul e Jônatas, e depois pela morte de Abner. (II Sm.1:12 e 3:35);
Aflições – Davi jejua em favor da criança que nascera de Bate-Seba, que estava doente, à morte (II Sm.12:16-23); Josafá apregoou um jejum em todo Judá quando estava sob o risco de ser vencido pelos moabitas e amonitas (II Cr.20:3);
Buscando Proteção – Esdras proclamou jejum junto ao rio Ava, pedindo a proteção e benção de Deus sobre sua viagem (Ed.8:21-23); Ester pede que seu povo jejue por ela, para proteção no seu encontro com o rei (Et.4:16);
Em situações de enfermidade – Davi jejuava e orava por outros que estavam enfermos (Sl.35:13);
Intercessão – Daniel orando por Jerusalém e seu povo (Dn.9:3, 10:2,3)
b) Nos Evangelhos
Preparação para a Batalha Espiritual – Jesus mencionou que determinadas castas só sairão por meio de oração e jejum, que trazem um maior revestimento de autoridade (Mt.17:21);
Estar com o Senhor – Ana não saía do templo, orando e jejuando freqüentemente (Lc.2:37);
Preparar-se para o Ministério – Jesus só começou seu ministério depois de ter sido cheio do Espírito Santo e se preparado em jejum (prolongado) no deserto (Lc.4:1,2);
c) Em Atos dos Apóstolos vemos a Igreja praticando o jejum em diversas situações, tais como:
Ministrar ao Senhor – Os líderes da igreja em Antioquia jejuando apenas para adorar ao Senhor (At.13:2);
Enviar ministérios – Na hora de impor as mãos e enviar ministérios comissionados (At.13:3);
Estabelecer presbíteros – Além de impor as mãos com jejum sobre os enviados, o faziam também sobre os que recebiam autoridade de governo na igreja local, o que revela que o jejum era um princípio praticado nas ordenações de ministros (At.14:23).
d) Nas Epístolas só encontramos menções de Paulo de ter jejuado (II Co.6:3-5; 11:23-27).

DIFERENTES FORMAS DE JEJUM
Há diferentes formas de jejuar. As que encontramos na Bíblia são:
a) Jejum PARCIAL. Normalmente o jejum parcial é praticado em períodos maiores ou quando a pessoa não tem condições de se abster totalmente do alimento (por causa do trabalho, por exemplo). Lemos sobre esta forma de jejum no livro de Daniel:
"Naqueles dias, eu, Daniel, pranteei durante três semanas. Manjar desejável não comi, nem carne, nem vinho entraram em minha boca, nem me ungi com óleo algum, até que se passaram as três semanas." (Dn.10:2,3).
O profeta Daniel diz exatamente o quê ficou sem ingerir: carne, vinho e manjar desejável. Provavelmente se restringiu à uma dieta de frutas e legumes, não sabemos ao certo. O fato é que se absteve de alimentos, porém não totalmente. E embora tenha escolhido o que aparentemente seja a forma menos rigorosa de jejuar, dedicou-se à ela por três semanas. Em outras situações Daniel parece ter feito um jejum normal (Dn.9:3), o que mostra que praticava mais de uma forma de jejum. Ao fim deste período, um anjo do Senhor veio a ele e lhe trouxe uma revelação tremenda. Declarou-lhe que desde o primeiro dia de oração o profeta já fora ouvido (v.12), mas que uma batalha estava sendo travada no reino espiritual (v.13) o que ocorreria ainda no regresso daquele anjo (v.20). Aqui aprendemos também sobre o poder que o jejum tem nos momentos de guerra espiritual.
b) Jejum NORMAL. É a abstinência de alimentos mas com ingestão de água. Foi a forma que nosso Senhor adotou ao jejuar no deserto. Cresci ouvindo sobre a necessidade de se jejuar bebendo água; meu pai dizia que no relato do evangelho não há menção de Cristo ter ficado sem beber ou ter tido sede (e ele estava num deserto!):
"Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão e foi guiado pelo mesmo Espírito, no deserto, durante quarenta dias, sendo tentado pelo Diabo. Nada comeu naqueles dias, ao fim dos quais teve fome." (Mt.4:2).
Denominamos esta forma de jejum como normal, pois entendemos ser esta a prática mais propícia nos jejuns regulares (como o de um dia).
c) Jejum TOTAL. É abstinência de tudo, inclusive de água. Na Bíblia encontramos poucas menções de ter alguém jejuado sem água, e isto dentro de um limite: no máximo três dias. A água não é alimento, e nosso corpo depende dela a fim de que os rins funcionem normalmente e que as toxinas não se acumulem no organismo. Há dois exemplos bíblicos deste tipo de jejum, um no Velho outro no Novo Testamento:
Ester, num momento de crise em que os judeus (como povo) estavam condenados à morte por um decreto do rei, pede a seu tio Mardoqueu que jejuem por ela:
"Vai, ajunta a todos os judeus que se acharem em Susã, e jejuai por mim, e não comais, nem bebais por três dias, nem de noite nem de dia; eu e as minhas servas também jejuaremos. Depois, irei ter com o rei, ainda que é contra a lei; se perecer, pereci." (Et.4:16).
Paulo, na sua conversão também usou esta forma de jejum, devido ao impacto da revelação que recebera:
"Esteve três dias sem ver, durante os quais nada comeu, nem bebeu."(At.9:9).
Não há qualquer outra menção de um jejum total maior do que estes (a não ser o de Moisés e Elias numa condição diferente que explicaremos adiante). A medicina adverte contra um período de mais de três dias sem água, como sendo nocivo. Devemos cuidar do corpo ao jejuar e não agredi-lo; lembre-se de que estará lutando contra sua carne (natureza e impulsos) e não contra o seu corpo.

A DURAÇÃO DO JEJUM
Quanto tempo deve durar um jejum? A Bíblia não determina regras deste gênero, portanto cada um é livre para escolher quando, como e quanto jejua.
Vemos vários exemplos de jejuns de duração diferente nas Escrituras:
1 dia - O jejum do Dia da Expiação
3 dias - O jejum de Ester (Et.4:16) e o de Paulo (At.9:9);
7 dias - Jejum por luto pela morte de Saul (I Sm.31:13);
14 dias - Jejum involuntário de Paulo e os que com ele estavam no navio (At.27:33);
21 dias - O jejum de Daniel em favor de Jerusalém (Dn.10:3);
40 dias - O jejum do Senhor Jesus no deserto (Lc.4:1,2);
OBS: A Bíblia fala de Moisés (Ex.34:28) e Elias (I Re.19:8) jejuando períodos de quarenta dias. Porém vale ressaltar que estavam em condições especiais, sob o sobrenatural de Deus. Moisés nem sequer bebeu água nestes 40 dias, o que humanamente é impossível. Mas ele foi envolvido pela glória divina. O mesmo se deu com Elias, que caminhou 40 dias na força do alimento que o anjo lhe trouxe. Isto é um jejum diferente que começou com um belo "depósito", uma comida celestial. Jesus, porém, fez um jejum normal com esta duração.
Muitas pessoas erram ao fazer votos ligados à duração do jejum... Não aconselho ninguém fazer um voto de quanto tempo vai jejuar, pois isso te deixará "preso" no caso de algo fugir ao seu controle. Siga o conselho bíblico:
"Quando a Deus fizeres algum voto, não tardes em cumpri-lo; porque não se agrada de tolos. Cumpre o voto que fazes.
Melhor é que não votes do que votes e não cumpras". (Ec.5:4,5).
É importante que haja uma intenção e um alvo quanto à duração do jejum no coração, mas não transforme isto em voto. Já intentei jejuns prolongados e no meio do caminho fui forçado a interromper. Mas também já comecei jejuns sem a intenção de prolongá-lo e, no entanto, isto acabou acontecendo mesmo sem ter feito os planos para isto.

O JEJUM PROLONGADO
Há algo especial num jejum prolongado, mas deve ser feito sob a direção de Deus (as Escrituras mostram que Jesus foi guiado pelo Espírito ao seu jejum no deserto – Lc.4:1). Conheço irmãos que tem jejuado por trinta e até quarenta dias, embora eu, pessoalmente, não tenha feito um jejum tão longo. Cada um deles confirma ter recebido de Deus uma direção para tal.
Vale ressaltar também que certos cuidados devem ser tomados. Não podemos brincar com o nosso corpo. Uma dieta para desintoxicação do organismo antes do jejum é recomendada, e também na quebra do jejum prolongado (mais de 3 dias). Procure orientação e acompanhamento médico se o Senhor lhe dirigir a um jejum deste gênero. Há muita instrução na forma de literatura que também pode ser adquirida.

PODEMOS FALAR QUE ESTAMOS JEJUANDO ?
Algumas pessoas são extremistas quanto a discrição do jejum, enquanto outras, à semelhança dos fariseus, tocam trombeta diante de si. Em Mateus 6:16-18, Jesus condena o exibicionismo dos fariseus querendo parecer contristados aos homens para atestar sua espiritualidade. Ele não proibiu de se comentar sobre o jejum, senão a própria Bíblia estaria violando isto ao contar o jejum que Jesus fez... Como souberam que Cristo (que estava sozinho no deserto) fez um jejum de quarenta dias? Certamente porque Ele contou! Não saiu alardeando perante todo mundo, mas discretamente repartiu sua experiência com os seus discípulos.
Eu, particularmente, comecei a jejuar estimulado pelo relato das experiências de outros irmãos. Depois é que comecei (aos poucos) a entender o ensino bíblico sobre o jejum. E louvo a Deus pelas pessoas que me estimularam! Sabe, precisamos tomar cuidado com determinadas pessoas que não tem o que acrescentar à nossa edificação e somente atacam e criticam. Lembro-me que o primeiro jejum que fiz na minha adolescência: cortei só o almoço mas tomei um refrigerante para não "sofrer" muito; fiz isto para orar por um amigo que queria ver batizado no Espírito Santo. Aquele rapaz já havia recebido tanta oração, mas nada havia acontecido ainda. Portanto, jejuei e orei em seu favor. Hoje sei que não foi grande coisa mas, na época, foi o meu melhor. Pois bem, alguém ficou sabendo e me ridicularizou, disse que jejum de verdade era ficar o dia todo sem comer nada e bebendo no máximo um pouco de água; esta pessoa disse que eu estava perdendo meu tempo e que só fizera um "regimezinho", pois o verdadeiro jejum não admitia nem bala açucarada na boca, quanto mais um refrigerante!... mas naquele dia meu amigo foi cheio do Espírito Santo e preferi acreditar que o jejum funcionava.
Depois ouvi outros irmãos comentarem sobre jejuar mais de um dia e "fui atrás" , e assim, aos poucos, fui aprendendo (a jejuar e sobre o jejum) aquilo que não aprendi na igreja ou na literatura cristã. Penso que de forma sábia e cuidadosa podemos estimular outros à prática do jejum, basta partilharmos nossas experiências e incentiva-los.


CONCLUINDO
Haverá períodos em que o Espírito Santo vai nos atrair mais para o jejum, e épocas em que quase não sentiremos a necessidade de faze-lo. Já passei anos sem receber nenhum impulso especial para jejuns de mais de três dias e, mesmos estes, foram poucos. E houve épocas em que, seguidamente sentia a necessidade de faze-lo. Porém, penso que o jejum normal de um dia de duração é algo que os cristãos deveriam praticar mais, mesmo sem sentir nenhuma "urgência" espiritual para isto.
Quando meu filho Israel estava para nascer, o Senhor trouxe um profundo peso de oração e intercessão ao meu coração. Sabia que devia jejuar; era uma "urgência" dentro de mim. Não ouvi uma voz sobrenatural, não tive nenhuma visão ou sonho a respeito, simplesmente sabia que tinha de jejuar até romper algo, e o fiz por seis dias. Ao final soube que havia alcançado uma vitória. Na ocasião do parto, minha esposa teve uma complicação e quase perdemos nosso primeiro filho; contudo, a batalha já havia sido ganha e o poder de Deus prevaleceu. Devemos ser sensíveis e seguir os impulsos do Espírito de Deus nesta área. Isto vale não só para começar a jejuar mas até para quebrar o jejum. Já fiz jejuns que queria prolongar mais e senti que não deveria faze-lo, pois a motivação já não era mais a mesma...Encerro desafiando-o a praticar mais o jejum, e certamente você descobrirá que o poder desta arma que o Senhor nos deu é difícil de se medir com palavras. A experiência fortalecerá aquilo que temos dito. Que o Senhor seja contigo e te guie nesta prática!

Luciano Subirá